Como declarar fundos imobiliários no Imposto de Renda 2022: um passo a passo para te ajudar

Se você investe em fundos imobiliários (FIIs) e precisa de orientação para declarar no Imposto de Renda, é importante seguir um passo a passo para ter certeza de estar fazendo tudo certo. Atenção, pois mesmo que não haja cobrança de imposto, a declaração é obrigatória! Se você investiu em fundos imobiliários em 2021, deve declará-los no imposto de renda entre os dias 7 de Março e 29 de Abril. 


Conhecidos por distribuírem rendimentos isentos, os fundos imobiliários exigem uma atenção especial do investidor na hora do preenchimento da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física. No entanto, apesar da isenção, o lucro que você ganhou com os FIIs deve ser declarado, assim como o investimento atual e o ganho obtido com a venda das cotas. 


Para te ajudar a entender tudo sobre o assunto, a Nova Época Imóveis trouxe esse post com as principais informações e um passo a passo do que você deve fazer e o que deve ter em mãos para declarar fundos imobiliários no Imposto de Renda. Em caso de dúvidas, entre em contato com um dos nossos corretores e para mais dicas sobre o mercado imobiliário, não deixe de conferir nosso blog!


Sobre os fundos de investimentos


Diferente das ações do Imposto de Renda, onde cada papel tem sua execução, não existem operações diferenciadas na declaração dos fundos de investimentos. Ou seja, isso quer dizer que é necessário declarar no imposto quando há lucro na venda de uma cota de FII, não havendo isenção para ganhos inferiores a R$20 mil. 


Já no caso do lucro líquido, a taxa de 20% representa as vendas de cotas e o imposto deve ser contabilizado todos os meses para ser pago via Darf (Documentos de Arrecadação de Receitas Federais) até o último dia útil do mês. Prejuízos relacionados a vendas de frações podem ser reduzidos nos lucros dos meses seguintes e amortizações devem estar associadas ao saldo financeiro, não aos rendimentos que são pagos.


O desconto deve ser somado ao valor do resgate, garantindo uma análise maior dos lucros e prejuízos. Além disso, o investidor ainda terá que calcular o seu ganho com fundos de investimento imobiliário e, dessa forma, anexar os seus rendimentos no imposto. Vale ressaltar, ainda, que os custos de corretagem e emolumentos são descontados desta operação. 


Quais documentos são necessários?


Antes de mais nada, nossa primeira e mais importante dica do passo a passo é reunir todos os documentos necessários para declarar os fundos imobiliários, o ganho de capital e os dividendos recebidos no ano passado. É essencial que o investidor tenha em mãos o informe de rendimentos, o histórico de negociações realizadas mês a mês e os Documentos de Arrecadação de Receitas Federais do Imposto de Renda recolhido sobre os ganhos por venda de cotas.


Além disso, também será necessário que você apresente:

 

  • Valores de compra e renda;
  • Demais recebimentos, como amortização, direitos e aluguel de cota;
  • Resultados das operações, seja lucro ou prejuízo.


Como declarar o fundo de investimento imobiliário no Imposto de Renda?


Com todos os documentos que precisa em mãos, o contribuinte precisa ir na ficha de “Bens e Direito – Código 73” informar qual é a administradora do fundo, seu número de CNPJ e as cotas do investidor. No caso de contas conjuntas, é preciso citar o nome e o CPF do titular. Abaixo, vamos listar os outros passos desse processo:

 

  • Na ficha de “Bens e Direitos”, escolha o grupo “07 – Fundos”;
  • Em seguida “03 – Fundos Imobiliários”, onde serão informados o saldo e o valor aplicado;
  • Depois, selecione sua localização/país: “105 – Brasil”;
  • No campo CNPJ, o contribuinte irá inserir o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica do fundo imobiliário;
  • Ao chegar na aba “Discriminação” serão citadas a instituição financeira que administra o fundo, o CNPJ, o titular e o seu número de cotas;
  • Por fim, o contribuinte deverá acessar “Situação em 31/12/2021” (referente ao ano anterior) para informar os valores que correspondem às suas cotas de fundos de investimento imobiliário.


Não esqueça que é necessário, como mencionamos acima, verificar o número de vendas ao mês, o que ajuda na maior compreensão do lucro obtido. Para calcular o valor do imposto a ser pago, o investidor deve seguir uma fórmula: 


    Lucro = valor de venda - compra - taxas (corretagens e emolumentos).


Lembrando que as perdas também devem ser declaradas e os prejuízos são abatidos dos lucros para que haja compensação. O investidor deve expor seus ganhos e fazer a operação via Darf – Código 6015, através do internet banking ou do programa Sicalc, da Receita Federal. Em casos de atrasos, o aplicativo calcula a multa e os juros do pagamento. Para preencher essa declaração do Sicalc também é preciso seguir alguns passos:

 

  • Selecione “operações fundos investimentos imobiliários” na aba Renda Viável;
  • Depois, declare as informações mensais em “ganhos líquidos ou perdas”;
  • Em “resultado líquido do mês”, será necessário digitar os lucros e prejuízos mensais;
  • É preciso computar o resultado negativo anterior a Janeiro em “resultado negativo até o mês anterior”;
  • A parte de “imposto retido ao mês” representa os valores de impostos bloqueados de acordo com os rendimentos da corretora;
  • Por último, mas não menos importante, os valores mensais de impostos que serão pagos serão lançados em “imposto pago”. 

 

Como declarar rendimentos de fundos imobiliários no Imposto de Renda?


Rendimentos de ativos são isentos do Imposto de Renda, o que tem como objetivo incentivar o mercado de fundos de investimento imobiliário. Apesar da praticidade, a pessoa física tem que declarar seus dividendos, assim como os investimentos atuais e o ganho de capital adquirido com a venda de cotas. O contribuinte deve escolher a ficha de declaração de rendimentos isentos e não tributáveis e selecionar a opção 26. Depois, deverá informar:

 

  • Tipo de beneficiário, titular ou dependente, de acordo com o fundo de investimento imobiliário;
  • Beneficiário, em caso de uma pessoa que não é o titular;
  • CPF ou CNPJ da administradora, dado disponível no informe recebido pelo correio;
  • Nome da fonte pagadora, ou seja, especificar qual foi o rendimento recebido, conforme o informado;
  • Descrição, onde você escreverá “distribuição de rendimentos do FII”;
  • Por último, selecione “valor” e especifique o rendimento.

 

Com esse passo a passo, a Nova Época espera ter te ajudado a conhecer tudo o que é necessário para declarar, de forma correta, os investimentos e eventuais lucros em operações com fundos imobiliários. Lembre-se: em caso de dúvidas ou para mais informações, entre em contato com um dos nossos corretores!
 

 

 

Escrito por Mariana Carvalho