Vícios ocultos de um imóvel: entenda o que são e como podem te afetar

Ao comprar ou vender um imóvel, muitos são os fatores que devem ser levados em consideração antes de qualquer decisão. São eles que vão definir o sucesso da concretização da venda, além de garantir um futuro sem problemas ou dores de cabeça. Por isso, é essencial que você esteja atento a todos os itens envolvidos garantindo, assim, que a negociação atenda às expectativas sem gerar desconforto para nenhuma das partes.

É bem chato quando compramos alguma coisa e ela não funciona como esperado, o mesmo vale para imóveis. Em geral, existem dois tipos de problemas: aqueles que enxergamos com facilidade no primeiro momento que batemos o olho no imóvel e outros um pouco mais complexos, que geralmente estão relacionados com seu desempenho. No mercado imobiliário, esses problemas são chamados de vícios.

Nesse cenário, existem mais de um tipo de vícios: os ocultos e os aparentes. Os vícios ocultos costumam exigir atenção redobrada, uma vez que podem facilmente passar despercebidos em uma inspeção e acabar gerando, posteriormente, surpresas desagradáveis e inesperadas, custando mais caro do que poderia ao morador.

Logo, é essencial que você conheça esses vícios e entenda como eles podem afetar tanto o comprador quanto o vendedor de um imóvel. Para te ajudar com essa questão, a Nova Época Imóveis  elaborou esse texto para te explicar o que são esses vícios, como eles podem aparecer e afetar a vida das duas partes dessa negociação. E para mais informações sobre o mercado imobiliário e sobre a compra e venda de imóveis, fique de olho em nosso blog!

O que são os vícios ocultos de um imóvel?

De modo geral, a primeira visita não costuma revelar todas as características de um imóvel. Inclusive, em alguns casos, é até necessário uma análise mais minuciosa para revelar a real situação em que o espaço se encontra. Isso, claro, quando analisamos criteriosamente e equilibramos as impressões, levando em consideração a deterioração normal de utilização do imóvel.

Existem os defeitos de fácil visualização, chamados de vícios aparentes, que qualquer um pode identificar com rapidez, normalmente nas primeiras vezes de uso, sem a necessidade da ajuda de um técnico ou profissional. Vícios aparentes podem ser: azulejos quebrados, uma parede rachada ou um piso de chuveiro não nivelado que pode ocasionar acúmulo de água, entre outros. Para esse tipo de vício, o comprador tem um prazo de até 90 dias para reclamar.

Porém, aqueles defeitos que não são constatados facilmente em pouco tempo e com facilidade de verificação são conhecidos como vícios ocultos e podem ser muito perigosos. Diferente dos aparentes justamente pela difícil identificação, esses vícios podem ocasionar situações complicadas e até mesmo comprometer a utilização do imóvel.

Como os vícios ocultos podem afetar a vida das partes?

Os vícios podem ocasionar inúmeras consequências, até mesmo depois do término do contrato, para todas as partes de uma negociação de compra e venda de um imóvel. No caso do

comprador, ele pode ter muitos aborrecimentos e incômodos ao ter que conviver com defeitos que começam a aparecer durante sua estadia no imóvel, como:

  • Tubulação apresentando oxidações;
  • Problemas nas instalações elétricas;
  •  Fissuras nas paredes.

Já no caso do vendedor, é sempre essencial lembrar que a responsabilidade perante ao Código de Defesa do Consumidor (CDC), que garante ao comprador o direito à reclamação do defeito oculto, solicitando que os ajustes ou reformas necessárias sejam feitos, existe e é do próprio vendedor. É ele, inclusive, que deverá arcar com os custos da solução do problema.

É indispensável que não seja esquecido que, no momento da venda, é fundamental que o vendedor esclareça todas as informações sobre o imóvel, sem esconder nada achando que, agora que o imóvel foi passado, o problema é de outra pessoa. Assim, é possível manter segurança jurídica e de boa fé perante itens eventualmente identificados.

Qual a melhor maneira de prevenir problemas?

A melhor orientação para quem está envolvido na transferência de um imóvel é detalhar, de forma mais clara e precisa possível, as características e condições acordadas no momento da venda do bem. Esse alinhamento irá evitar que fatos negativos surjam durante a utilização do imóvel, acarretando em descontentamentos e surpresas desnecessárias.

Uma boa dica é que, além de uma vistoria formal, seja realizado um registro em papel e um no digital. Esse registro pode ser feito através de fotos, tiradas de todos os cômodos, destacando sempre suas principais características. Outra forma de fazer esse registro é fazendo um vídeo da vistoria, incluindo a gravação e uma narração dos detalhes que estão sendo avaliados. É importante que esse registro seja feito de maneira acordada entre as partes, o comprador não deve tentar esconder nada do vendedor, assim como ele não deve esconder nada do comprador!

Quais as regras existentes para essa situação?

Conforme mencionado acima, o Código de Defesa do Consumidor (CDC) garante que reclamações sejam feitas sobre os vícios ocultos de um imóvel. Elas precisam ser realizadas assim que os vícios forem identificados, o que dá ao comprador direito aos reparos compatíveis e até mesmo à rescisão do contrato de compra e venda.

Assim sendo, é essencial saber que a conclusão do contrato não põe fim à relação entre as partes da transação, por isso, é sempre indispensável estar atento para realizar as ações necessárias quando elas se fazem presentes.

E você, já teve algum problema surpresa com vícios? Para evitar aborrecimentos com imóvel novo, escolha a Nova Época! Nossos corretores estão aqui para garantir a melhor experiência de compra, sem surpresas desagradáveis ou dores de cabeça com imóveis prejudicados. Confira as ofertas no nosso site, são mais de 14 mil opções de imóveis nos melhores bairros para você escolher o que mais satisfaz seus desejos e necessidades!

 

 

Escrito por Mariana Carvalho

Olá! Preencha os campos abaixo para iniciar a conversa no WhatsApp

Ao enviar, aceito a Política de Privacidade