Mercado imobiliário: o que esperar desse setor em um mundo pós-pandemia

A disseminação da pandemia do Coronavírus gerou grandes impactos na economia do mundo todo desde o início de 2020 e a implantação das medidas de isolamento social revolucionaram os hábitos de consumo e a reorganização do varejo de forma geral e permanente. Em meio à crise gerada pelo Covid-19, uma dúvida que muitos têm é: como vai ficar o mundo quando tudo isso acabar? Será que vamos nos recuperar economicamente?

No segmento de imóveis, tanto para corretores quanto para quem tem ou investe em imóveis e quer planejar sobre seus investimentos, os questionamentos não param e as dúvidas mais frequentes são: afinal, que tendências e mudanças permanecerão no período de transição e no futuro que nos aguarda? Como captar novos clientes? Quais os impactos esperados para o mercado imobiliário pós-pandemia?

É verdade que as baixas taxas de juros e a crescente procura por financiamento fizeram e ainda fazem o mercado imobiliário brasileiro manter sua ascensão mesmo em tempos de pandemia, porém, como podemos lidar com todas as mudanças nas demandas e na forma de consumo? Até quando será que esse segmento vai se manter em ascensão?

Assim sendo, é essencial tirar esse momento para investir em uma análise geral dos principais aprendizados desse período para, assim, atingir melhores resultados e implementar uma nova perspectiva para ter sucesso nos novos tempos que estão por vir, dando especial atenção à adesão das tecnologias nesse mercado, considerado o carro-chefe das mudanças.

Pensando nisso, a Nova Época Imóveistrouxe esse post para mostrar um panorama sobre o mercado imobiliário pós-pandemia, listar as principais previsões e tendências desse setor, além de apresentar os pontos relacionados à valorização de imóveis e ao processo de compra e venda.

Uma grande lição que a pandemia deixou é a de quão importante é ter um lugar seu, confortável para você e sua família morar com tranquilidade. Por isso, se você está à procura de um imóvel confortável que seja a cara da sua família, não deixe de conferir as ofertas disponíveis no nosso site e fale com nossos corretores. Vamos realizar esse sonho juntos!

Panorama do setor imobiliário

Pré-crise

Antes de falar sobre as mudanças e as tendências do mercado imobiliário, resolvemos fazer uma breve recapitulação das promissoras perspectivas para esse setor antes do começo da pandemia, assim, você fica melhor ambientado no assunto.

O cenário foi de aquecimento em 2019, levando à expectativa de estabilização no crescimento da economia. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), nesse ano o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro teve alta de 1,1%, sendo o bom desempenho do setor imobiliário um dos destaques na área de serviços, com 2,3% de aumento.

O período otimista claramente contagiou compradores e investidores, o que refletiu de maneira direta nas captações imobiliárias. Em Dezembro de 2019, houve ainda uma queda da Taxa Selic, o que tornou o interesse nesse setor ainda maior.

Desse ângulo, a alta no número de lançamentos imobiliários no Brasil, que cresceu 11,8% no segundo semestre de 2019, reforçava o clima promissor da área. Outro desdobramento positivo para a área foi a expansão da venda de imóveis novos no Brasil, que aumentou 10% de acordo com a CBCI (Câmara Brasileira da Indústria da Construção).

Pós-crise

Com as boas previsões de 2019, o ano de 2020 começou com a expectativa de uma possível superação da crise que esse setor passou entre 2015 e 2017, com a previsão de uma variedade de lançamentos e estratégias inovadoras para o setor. E o primeiro trimestre de fato confirmou essa tendência com um aumento de 26,7% nas vendas imobiliárias, segundo um levantamento da CBCI.

No entanto, o choque inicial do súbito estouro da pandemia acabou gerando um retrocesso inesperado nos planos e nos avanços desse segmento. De acordo com a mesma pesquisa da CBCI, o número de unidades lançadas no país em relação ao do ano anterior sofreu uma queda de 14,8%, o que deixou claro os impactos da crise do Covid nas construtoras e na baixa demanda por parte dos clientes.

Porém, um novo cenário não demorou a apareceu: por conta das circunstâncias geradas pelo isolamento e da disseminação do trabalho remoto, o jogo logo virou para o mercado imobiliário. As necessidades e os perfis dos imóveis buscados mudaram, sendo os imóveis mais procurados nesse novo cenário aqueles com mais espaço, maior contato com a natureza e ambiente adequado para home office.

Em Agosto de 2020, uma nova pesquisa realizada pela CBCI apontou um aumento na intenção de compra de imóveis por consumidores retornou a níveis pré-pandemia, indicando um bom momento para o segmento de construções. A queda da Taxa Selic nos últimos meses do ano foi outra boa notícia que ajudou a alimentar as vendas nesse setor.

Ao analisar o cenário e o contexto de forma geral, de fato a incerteza dos primeiros meses de dispersão do Covid gerou paralisação em projetos e impactou a demanda desse mercado. No entanto, a necessidade de isolamento e o desejo de viver mais confortavelmente em casa retomaram a procura por imóveis.

Tendências do mercado imobiliário pós-pandemia

1. Mudanças no comportamento dos consumidores

Comprar e fazer negócios pela internet é uma mudança que já vinha acontecendo antes mesmo da pandemia, ela só acelerou esse comportamento do novo consumidor, e será cada vez mais naturalizada. Autonomia, imediatismo nas respostas e mais exigência em relação às marcas eram, são e serão uma grande tendência.

Os clientes vão demandar cada vez mais empatia das empresas, um maior posicionamento ético e mais agilidade no processo de compras, o que têm exigido cada vez mais a priorização da eficiência e personalização do atendimento e um foco maior em melhorar as experiências dos consumidores.

2. Maior demanda por espaços abertos e mais conforto

Não só o perfil dos clientes se modificou, como também o perfil dos imóveis. Com a pandemia, as pessoas passaram a prestar atenção no lar e para o viver bem em casa, o que só reforçou a importância de procurarmos por uma moradia aconchegante e confortável. Por exemplo, imóveis com varanda passaram a ser muito mais procurados.

Mais conforto, áreas abertas e um maior contato com a natureza são os fatores mais valorizados pelos consumidores, comportamento endossado por pesquisas que apontam que pessoas que moram em casas com quintal sentiram menos os efeitos negativos do isolamento social.  

3. A casa como lugar de descanso e de trabalho

Com a implementação do modelo home office, realidade que veio para ficar no caso da maioria das empresas, a procura por moradias que servissem também de área de trabalho aumentou. Com isso, pesquisas apontam o aumento na busca por imóveis urbanos que oferecem a possibilidade de conciliar trabalho e descanso, com espaços e estruturas que possam se transformar em escritórios.

Condomínios que disponibilizam áreas de coworking são uma grande pedida do futuro. A procura por apartamentos menores que sirvam como base nos dias de trabalho presencial é outra tendência observada.

4. Visitação virtual em 360°

Esse é um recurso que já vinha ganhando muita força em 2020 e a expectativa é que ganho uma relevância ainda maior no mercado imobiliário nos próximos anos. Esse tipo de visitação permite que os clientes visitem o imóvel de forma remota e em grandes detalhes, com vantagens como a possibilidade de dispersar tempo e custo de deslocamento e a possibilidade de poder ser realizada a qualquer momento.

Nos pontos de venda essa ferramenta se torna ainda mais atrativa e rica se usada em telas interativas, o que agrega muito à experiência do consumidor e, consequentemente, à empresa.

5. Lançamentos e vendas online

Um estudo da CBCI aponta que em torno de 79% dos negócios imobiliários tiveram que adiar seus lançamentos por conta das recomendações de saúde da pandemia.

Porém, observou-se grande adaptação por parte dessas empresas, uma tendência que deve ser reforçada cada vez mais. Com as limitações do distanciamento social, lançamentos online com atendimento virtual e recursos como vídeo, tour de 360° e fotos de alta resolução ganharam adesão e força.

Além disso, outro direcionamento importante que já ganhava espaço muito antes da pandemia e só se fortaleceu com ela foram as vendas virtuais. Com mais alcance, menos custos e mais poder de segmentação, o marketing digital e a web tendem a crescer como canais para identificar consumidores, fechar novos contratos e gerar leads cada vez mais.

Como aproveitar as mudanças e captar clientes no mercado imobiliário pós-pandemia

Nesse momento, é preciso apostar as fichas na modernidade. O uso da tecnologia não só acelera as transações e encurta distâncias e gastos, mas também incrementa a experiência dos seus clientes, o que é uma importante ajuda para empresa a ganhar crédito.

O espírito inovador é o que vai diferenciar sua empresa das outras, por isso é essencial capacitar sua empresa para os novos tempos, investir em personalização no contato com o cliente, investir em marketing digital e apostar no poder da produção de conteúdo relevante. Afinal, a pandemia não trouxe somente problemas, ela também abriu portas ao trazer um cenário de rompimento de contratos no mercado imobiliário e em outros segmentos.

Com todas essas informações, a Nova Época Imóveis espera ter te ajudado a entender qual a melhor forma de tomar uma decisão mais criteriosa no momento e como investir na sua empresa no mercado imobiliário. É fato que agora o processo de compra e venda de imóveis precisa de mais reflexão e tempo, porém, investir nesse setor ainda é uma forma estável de alcançar melhorias para quem está construindo um patrimônio.