Dicas de como sair do aluguel e comprar sua casa própria

 

Sair do aluguel e conquistar a casa própria é o sonho da grande maioria, mas não é um desejo que surge da noite para o dia. É um pensamento que vem acompanhado de dúvidas, juros de financiamento, mudanças na economia do país, entre outros. Mas, ainda assim, é um passo natural e muito saudável.

Embora pareça um grande desafio tornar esse sonho realidade, com algumas dicas e o planejamento certo, controlando o orçamento, poupando dinheiro e fechando um negócio satisfatório e acessível, o sonho se torna cada vez mais perto de se tornar realidade.

A Nova Época resolveu fazer esse post para você que está pronto para deixar o aluguel para trás e comprar uma casa própria. Aqui vamos listar um passo a passo com oito dicas do que fazer para te ajudar nessa realização!

1. Controle quanto você ganha e quanto gasta

Para quem deseja deixar o aluguel e morar em um apartamento ou casa que pode chamar de seu, o primeiro passo é ter uma noção muito clara de qual é sua renda e quais são suas despesas de uma forma geral. Assim, você descobre qual é a real condição financeira que você se encontra.

Fazer uma lista com suas despesas mensais e sua renda fixa pode ser de grande ajuda nessa hora. Ter tudo anotado facilitará que você perceba quais as suas condições de sair do aluguel ou não, o que é fundamental e deve ser feito antes de qualquer outro planejamento.

Essa é uma das dicas mais importantes, pois só assim será possível que você identifique formas de diminuir gastos ou, até mesmo, economizar.

2. Corte gastos desnecessários e economize

Para dar entrada no imóvel escolhido, é ideal que você consiga reduzir gastos e economizar. Sendo assim, corte despesas e comprar supérfluas durante um período.

No dia a dia, busque alternativas mais econômicas, que não consumam grande parte da sua renda. Pequenas mudanças de hábitos já ajudam muito, como levar a própria comida no almoço ou trocar o carro pelo ônibus ou pelo metrô.

Aproveitar essas oportunidades de economia podem ser a diferença na hora da decisão, pois com o dinheiro a mais economizado você pode contar com mais verba na hora de dar entrada no imóvel e, até mesmo, pagar as parcelas.

Além disso, ter um dinheiro à mais guardado pode ser bom no caso de imprevistos que podem acontecer no período do financiamento. Com a reserva é possível pagar o vencimento das parcelas por um tempo.

3. Planejamento financeiro e pessoal

Nesse passo, é importante manter os pés no chão e planejar como os valores serão aplicados e futuras despesas que podem aparecer, quitadas.

Também é fundamental ter em mente um perfil de imóvel que te agrade, com as características que são realmente necessárias, assim, o custo-benefício será maior ao pesquisar imóveis que se enquadrem na sua rotina.

Classificar a compra do imóvel como um projeto para curto/médio prazo ou para médio/longo prazo também é uma boa dica para quem procura sair do aluguel, pois analisar essa situação pode te ajudar a tomar uma decisão mais assertiva quanto ao método de compra.

4. Forma de pagamento

Outro ponto alto na hora da compra do imóvel é a escolha da forma como você vai pagá-lo. A garantia de um bom contrato de financiamento pode resultar em menores taxas de juros, condições de pagamento facilitadas, além de outros benefícios.

Existem diversas formas de cobrança de juros e condições de antecipação de parcelas e seguros que podem ser negociados nesse processo. Por isso, é recomendado que você converse com um corretor de imóveis especializado para que ele possa te dar orientações sobre as melhores opções de financiamento e o que você precisa contratar pare ficar realmente seguro.

Antes de decidir qualquer coisa, procure um corretor bom no mercado e peça dicas importantes do que você precisa levar em consideração na hora da escolha da forma de pagamento. Além disso, escolha a forma que melhor se enquadre nas suas necessidades e conveniência.

5. Avalie as melhores opções dentro da forma de pagamento escolhida

Não pense que a atenção é necessária somente na hora da escolha da forma de pagamento! É também muito importante ter atenção às condições de pagamento, de taxas, de valores das parcelas e de todos os outros detalhes.

Uma dica é que você dê, tanto em financiamentos quanto ao adquirir o imóvel com uma construtora, uma boa entrada e faça parcelas que representam uma porcentagem de pelo menos 1% do valor total do imóvel e que, ainda assim, permitam que você possa continuar pagando o aluguel da sua residência atual (não se esqueça dela!!) sem atrasos ou descumprimento de ambas as despesas.

6. Procure um imóvel que se encaixe nas suas necessidades

Antes de mais nada, uma dica boa para ser pontual, não perder tempo na hora de escolher um imóvel e comparar preços é fazer uma lista das características e benefícios que você gostaria que o imóvel tivesse.

Além das características físicas, as facilidades do entorno do imóvel, como infraestrutura e localização do bairro, por exemplo, também devem ser levadas em consideração. Escolher o imóvel que deixa sua rotina o mais agradável possível é o que você precisa procurar.

Outro ponto a ser considerado na hora da avaliação do imóvel é o seu potencial de valorização. Bairros com vista para algum ponto turístico, com bons índices de segurança, em crescimento organizado ou que tenham algum atrativo tem maior chance de valorizar com o tempo.

Racionalizar sua procura determinando o que deseja encontrar e o que agregará valor para o bem são dois passos muito importantes na escolha do imóvel.

7. Pense nos gastos extras para sair do aluguel

Antes de precipitar qualquer compra, leve em consideração os gastos extras que você vai precisar arcar nessa mudança.

Custos cartorários que fazem parte da transação da compra e despesas com pequenos reparos que serão necessários antes de entregar o imóvel alugado são exemplos de despesas que você deve ter em mente que serão feitas nesse processo.

As despesas no imóvel novo, como instalação de fiação elétrica, de armários novos, despesas com empresas de mudança, entre outras também devem ser levadas em consideração para uma transição segura e sem surpresas ruins no futuro.

Além disso, tenha certeza de que você pode arcar com as despesas de seguir pagando o aluguel da residência onde vive e os custos de comprar um novo apartamento ou casa. Se planejar e ter responsabilidade financeira são fundamentais para não acabar caindo nas dívidas.

8. Aproveite incentivos do governo

Essa dica é mais pessoal, mas ainda é relevante! Se você quer sair do aluguel e comprar um apartamento ou casa próprios, não deixe de avaliar a ideia de aproveitar feirões e incentivos do governo como, por exemplo, usar o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

Esse recurso costuma facilitar muito o processo, especialmente porque permite aumentar o valor da entrada no imóvel, reduzindo a quantidade e os valores das prestações.

No processo de compra do apartamento ou da casa que vai te tirar do aluguel, é de extrema importância que você se planeje e pesquise bastante sobre as inúmeras possibilidades que estarão à sua disposição. Isso facilita muito a tornar esse desejo uma realidade.

Comprar uma casa própria é um grande passo para qualquer um, não importando a idade. Por isso, a Nova Época espera ter ajudado você que quer sair do aluguel a ter mais segurança de como fazê-lo. E quando for procurar um imóvel para chamar de seu, não se esqueça de entrar no nosso site e checar nossas ofertas, que variam de lançamentos a imóveis usados.