Comprar imóvel financiado ou à vista: saiba as vantagens e desvantagens de cada um

A compra da casa própria ainda é o sonho da grande maioria dos brasileiros, porém, não é uma tarefa fácil e representa um dos maiores investimentos na vida. Mas a maior questão é: qual a melhor forma de pagar por essa aquisição? Essa é uma das partes mais importantes desse processo e é importante que você tenha certeza de qual é a melhor para você.

Quando se trata de comprar um imóvel, a maior dúvida é entre juntar dinheiro para pagar mais barato à vista ou financiar. Muitas pessoas acreditam que comprar um imóvel à vista é a melhor opção, já que você não paga juros. A ideia de pagar quase o dobro do valor do bem ao financiar pode assustar muitos, porém, ainda pode ser uma melhor opção do que juntar dinheiro para outros.

É fundamental que você analise, com muita atenção e cuidado, as opções para entender qual a que cabe melhor no seu orçamento e o que vai comprometer com menos impacto as finanças da sua família. Ambas as opções têm seus prós e contras. Você sabe o que deve levar em consideração na hora de tomar essa decisão?

Para te ajudar nessa decisão, a Nova Época fez esse post apontando as vantagens e desvantagens em comprar um imóvel à vista ou financiado. Esperamos que até o final desse post você consiga decidir qual a melhor opção para o seu bolso! Não se esqueça de visitar nosso site e qualquer dúvida fale com um dos nossos profissionais.

Comprar um imóvel à vista

A opção de comprar à vista é, sem dúvida, sempre a melhor. Uma das principais vantagens para quem decide pagar um imóvel à vista é a de que, no final, o bem acaba saindo mais barato. A princípio, pagar à vista pode parecer a melhor opção porque você evita os tão temidos juros e isso torna o custo barato.

Além disso, quando a pessoa opta por juntar dinheiro e escolhe pagar à vista, é mais fácil de pechinchar e negociar descontos, sendo possível fazer um cálculo de 5% de desconto no valor total do imóvel, segundo especialistas.

Porém, apesar de parecer o cenário ideal, na prática as coisas são um pouco mais complicadas e é preciso analisar alguns fatores. Para juntar dinheiro para comprar um imóvel pode demorar anos e, caso a família viva de aluguel, isso pode ser um complicador porque além do valor mensal que você deverá juntar, ainda tem que se preocupar em somar o dinheiro do aluguel pago mensalmente a isso.

É de suma importância fazer as contas para saber o que é possível separar do orçamento sem que as finanças se apertem demais. Para isso, você precisa fazer os cálculos dos gastos mensais somando extras, como lazer, e identificar quanto sobra para guardar. Essa poupança também não pode prejudicar outras poupanças que você tem como a reserva de emergência ou a aposentadoria, por exemplo.

Isso ainda pode virar uma bola de neve, pois o mercado imobiliário é conhecido por flutuar bastante de acordo com a economia e pode acontecer de você se programar para comprar um imóvel e ele valorizar ao longo dos anos, o que pode exigir mais tempo de poupança.

Comprar um imóvel financiado

Se usado com inteligência e cautela, o financiamento pode ser um truco poderoso para quem deseja comprar um imóvel, principalmente quando se trata do primeiro. Para quem vive de aluguel, por exemplo, o valor da parcela de um imóvel pronto pode substituir facilmente aluguel pago mensalmente.

Uma das maiores vantagens de comprar um imóvel com a ajuda do financiamento é que ele te possibilita usar o saldo do FGTS. Mesmo que você pague juros, que não são pequenos, pois partem de 8%, isso acaba sendo compensado porque você obtém o imóvel de imediato.

Outra vantagem do financiamento é a possibilidade de “frear” o preço atual do imóvel, assim, você não fica sujeito às oscilações do mercado. Caso o imóvel desvalorize, o comprador terá perdido a oportunidade de comprar o bem por um preço mais barato, mas caso haja alta, ele estará protegido contra ela e não pagará mais.

Como a parte mais difícil de poupar é ter disciplina para isso, o financiamento também pode ajudar nesse quesito, pois força o comprador a destinar uma quantia específica para o imóvel todos os meses. É praticamente uma poupança forçada.

Como fazer a melhor escolha

Em um cenário ideal, a maioria dos especialistas financeiros afirma que a solução para essa decisão é uma compra híbrida, ou seja, mistura de poupança com financiamento. Isso quer dizer que você deve poupar com inteligência para dar uma entrada generosa e financiar o que restar.

Com isso, caso não seja possível quitar o imóvel à vista, o ideal é que você junte o máximo que você conseguir para dar entrada. Lembre-se: quanto maior for esse valor inicial, menor será o financiamento e, consequentemente, suas taxas de juros.

Ao escolher essa opção híbrida, você não demora anos para poupar o valor do imóvel nem precisa lidar com juros altos durante anos, ou seja, você junta as vantagens dessas duas formas de pagamento e não precisa arcar com as desvantagens.

A Nova Época espera ter te ajudado a entender melhor as formas disponíveis de pagamento de um imóvel, além de te ajudar a avaliar qual a melhor para o seu bolso. Não se esqueça de conferir as ofertas no nosso site e caso ainda tenha dúvidas entre em contato conosco e fale com um dos nossos profissionais!